Igreja óculos

Igreja óculos
Que o amor ao Senhor nos mantenha sempre disponíveis para encontrar e estar na Sua Casa

terça-feira, 27 de setembro de 2016

O mundo, visto do trono papal

Há tempos, ouvi um historiador importante explicar, com eloquência de dados, que o pedido de perdão de João Paulo II durante o Jubileu do ano 2000 não fazia sentido, porque nem ele nem os Papas anteriores tinham a ver com os acontecimentos de que pedia desculpa. Nem sequer a Igreja estava implicada na generalidade daqueles actos, a maior parte passados há muitos séculos. Antes de pedir desculpa, João Paulo II (digo eu) devia ter telefonado para a faculdade: «Está lá? Podia-me passar ao Prof.? Daqui fala o Papa. Não lhe vou tirar muito tempo, é só para me esclarecer...» (evitava-se o tal pedido de perdão inapropriado).

Em Junho passado, o Papa Francisco pediu desculpa aos valdenses pelas violências do século XVI. A Assembleia das Igrejas Metodistas e Valdenses respondeu-lhe há pouco, por carta, que não podiam perdoar: eram outros tempos, outras pessoas, nenhum daqueles antepassados está vivo... apreciavam o gesto, mas não lhes dizia respeito.

Aliás, a carta não toca no assunto, mas é evidente que se passa o mesmo com as culpas dos valdenses do século XVI: nenhum está vivo, nem tem um pai que possa pedir desculpa por ele.

Há uma frase de Paulo VI (cuja festa litúrgica se celebra no dia 26 de Setembro) que ilumina a questão: «o Papa deve olhar o mundo através dos olhos de Cristo». Ora, o olhar de Cristo não tem prazo de validade.

Ser Papa não é comparável a ser líder, é ser pai universal. Compreendo que um historiador não encontre a árvore genealógica que liga um remoto bandido a um Papa que vive vários séculos depois, contudo o Papa reconhece-o imediatamente: é meu filho!

Um Presidente da República não pede desculpa a Deus e ao mundo pelas malfeitorias dos cidadãos nacionais, mas um Papa sente sobre si a culpa de todas as culpas de todos os homens, de todos os continentes, de há 20 séculos para cá. O historiador pode argumentar que essa gente nem sequer ia à Missa: o Papa responde que sente ainda mais culpa, porque eles faltavam à Missa. O historiador pode contrapor que eles até perseguiam os padres e maltratavam os cristãos: o Papa sentirá uma culpa ainda maior. Não conseguem chegar a acordo, porque não é fácil conciliar a objectividade do historiador com a subjectividade do olhar de Cristo.

«Nada do que é humano é alheio à Igreja», eis uma ideia forte do Concílio Vaticano II, afirmando um envolvimento universal que abarca tudo o que há de bom e de mau na vida dos homens. Sobretudo, essa misteriosa preocupação por todos, que converge no coração do Papa. Descobrir a Igreja é também encontrar-se com a dimensão desta paternidade, querida pelo próprio Deus, à medida de Deus.

Há gente muito boa que conhece a doutrina e esperaria uma atitude mais objectiva por parte dos Papas. Um Cristo que come com publicanos e pecadores parece-lhes demasiado ingénuo e voltam à insinuação do Evangelho, «se Ele soubesse quem O está a tocar»... Claro que este Cristo é ingénuo. Pelo menos no sentido etimológico da palavra, inocente, sincero, simples. (Igualmente na acepção brasileira de filho da escrava, se pensarmos que Nossa Senhora se apresentou ao Anjo como a serva de Deus).

O título comum de todos os Papas, desde S. Gregório Magno, no século VI, até hoje é «servus servorum Dei» (o servo dos servos de Deus). Não é só literatura ancestral, enraizada nos séculos; a vulnerabilidade do coração de um Papa é um mistério que merece um imenso respeito.

José Maria C.S. André
Spe Deus
27-IX-2015

A alegria de uma pequena grande família cristã

Não é todos os dias, nem todos os anos, que uma família membro da Igreja Católica vê um dos seus filhos elevado aos altares, hoje (27.09.2014) o Opus Dei está em festa, festa que é sinónimo de aumento de responsabilidades, pois a fasquia subiu para todos os seus filhos.

Até aqui a mola impulsionadora publicamente conhecida era a santidade do seu fundador, Josemaría Escrivá, a partir de agora todos passaremos a ser olhados também como filhos do “engenheiro”, D. Álavro del Portillo, beato, homem cuja vida é um exemplo de santidade e que foi um fiel servidor do Senhor e do fundador da Obra que ajudou a expandir e crescer.

São múltiplos os testemunhos vivos sobre a sua bondade e fortíssima espiritualidade, que é difícil enaltecer um em particular, permito-me ainda assim, referir a entrega total de si mesmo em total dedicação e serviço a Deus, ao Opus Dei e ao próximo.

Louvar e agradecer a Deus por nos haver doado este exemplo de vida de santidade é nosso dever e nossa obrigação, que jamais devemos deixar esmorecer nos nossos corações.

Obrigado Meu Senhor e Meu Deus!

JPR

27.09.2014

Um pobre [...] jazia ao seu portão

Concílio Vaticano II 
Constituição sobre a Igreja no mundo actual, «Gaudium et Spes», § 69


Deus destinou a terra com tudo o que ela contém para uso de todos os homens e povos; de modo que os bens criados devem chegar equitativamente às mãos de todos, segundo a justiça, secundada pela caridade. Sejam quais forem as formas de propriedade, conforme as legítimas instituições dos povos e segundo as diferentes e mutáveis circunstâncias, deve-se sempre atender a este destino universal dos bens. Por esta razão, quem usa desses bens não deve considerar as coisas exteriores que legitimamente possui só como próprias, mas também como comuns, no sentido de que possam beneficiar não só a si mas também aos outros.

De resto, todos têm o direito de ter uma parte de bens suficiente para si e suas famílias. Assim pensaram os Padres e os Doutores da Igreja, ensinando que os homens têm obrigação de auxiliar os pobres e não apenas com os bens supérfluos. E aquele que se encontra em extrema necessidade tem direito de tomar, dos bens dos outros, o que necessita [Nota: Nesse caso vale o antigo principio: «na necessidade extrema, todas as coisas são comuns, isto é, todas as coisas devem ser tornadas comuns». […] É claro que, para a recta aplicação do princípio, devem ser respeitadas todas as condições moralmente exigidas.]. Sendo tão numerosos os que no mundo padecem fome, o sagrado Concílio insiste com todos, indivíduos e autoridades, para que, recordados daquela palavra dos Padres – «alimenta o que padece fome porque, se o não alimentaste, mataste-o» –, repartam realmente e distribuam os seus bens, procurando sobretudo prover esses indivíduos e povos daqueles auxílios que lhes permitam ajudar-se e desenvolver-se a si mesmos.

S. Vicente de Paulo

Nascido em Pouy, Dax, França em 24 de Abril de 1581.

Em 1600 é nomeado capelão da Rainha Margarida de Valois; dois anos mais tarde, é pároco de Clichy e, no ano seguinte, perceptor na célebre família "De Gondi".

1617 é o ano determinante da vida de S. Vicente: decide consagrar a sua vida ao serviço dos Pobres.

Em 1625 funda a Congregação da Missão para evangelizar o povo do campo, mas também para a formação do Clero.

Em 1633, com Luisa Marillac, funda a Filhas da Caridade.

S. Vicente foi "um plasmador de consciências, um sedutor de almas, um anunciador e um profeta da Caridade de Cristo, um verdadeiro homem de Deus".

Morreu em 27 de Setembro de 1660, mas o seu espírito continua vivo nas suas obras.

(Fonte: Evangelho Quotidiano)

O Evangelho do dia 27 de setembro de 2016

Aconteceu que, aproximando-se o tempo da Sua partida deste mundo, dirigiu-Se resolutamente para Jerusalém, e enviou adiante de Si mensageiros, que entraram numa aldeia de samaritanos para Lhe prepararem pousada. Não O receberam, por dar mostras de que ia para Jerusalém. Vendo isto, os Seus discípulos Tiago e João disseram: «Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu que os consuma?». Ele, porém, voltando-Se para eles, repreendeu-os. E foram para outra povoação.

Lc 9, 51-56

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Quem ama a Deus dá-se a si mesmo

O tempo é o nosso tesouro, o "dinheiro" para comprarmos a eternidade. (Sulco 882)

Que pena viver tendo como ocupação matar o tempo, que é um tesouro de Deus! Não há desculpas para justificar essa actuação. Que ninguém diga: só tenho um talento, não posso ganhar nada. Também com um só talento podes agir de modo meritório. Que tristeza não tirar partido, autêntico rendimento de todas as faculdades, poucas ou muitas, que Deus concede ao homem para que se dedique a servir as almas e a sociedade!

Quando o cristão mata o seu tempo na Terra, coloca-se em perigo de matar o seu Céu, se, pelo seu egoísmo, se retrai, se esconde, se despreocupa. Quem ama a Deus, não entrega só o que tem, o que é, ao serviço de Deus: dá-se a si mesmo. Não vê – em perspectiva rasteira – o seu eu na saúde, no nome, na carreira. (Amigos de Deus, 46)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1959

Recebe, em Roma, a visita de algumas mães de família. Durante anos, S. Josemaría recebeu centenas de visitas em Villa Tevere, sede do Opus Dei. A fim de aproveitar melhor o tempo sobrenaturalmente, S. Josemaría preparava-se para falar a essas almas só de Deus. Antes da entrevista dizia o versículo do salmo: «Pone, Domine, custodiam ori meo (põe, Senhor, uma sentinela na minha boca)»; e depois não se deixava de as recomendar ao seu Anjo da Guarda. Como recordação o Padre costumava oferecer-lhes um terço, «para o gastarem de tanto o rezarem».

Vazquez de Prada III, p. 467

"Tweets" da fé


Que mundo é este?

Sempre tivemos dificuldade em entender o narcisismo implícito nos selfies, mas esta foto ultrapassa tudo, não me referimos à candidata do aborto, mas à atitude geral dos assistentes.

A este propósito recordamos as palavras do Santo Padre nas homilias de 5ª feira passada 22 de setembro e de Domingo 25 de setembro no Jubileu dos Catequistas:

“A vaidade que nos enche. A vaidade que não tem vida longa, porque é como uma bola de sabão. A vaidade que não nos dá um ganho real. Qual o ganho que tem o homem com toda a trabalheira com a qual se ocupa? Ele está ansioso para aparecer, para fingir, pela aparência. Esta é a vaidade. Se queremos dizer simplesmente: "A vaidade é maquilhar a própria vida. E isso deixa a alma doente, porque se alguém falsifica a própria vida para aparecer, para fazer de conta, e todas as coisas que faz são para fingir, por vaidade, no final o que é que ganha? A vaidade é como uma osteoporose da alma: os ossos do lado de fora parece bons, mas por dentro estão todos estragados.”

“A mundanidade é como um «buraco negro» que engole o bem, que apaga o amor, que absorve tudo no próprio eu. Então só se veem as aparências e não nos damos conta dos outros, porque nos tornamos indiferentes a tudo. Quem sofre desta grave cegueira, assume muitas vezes comportamento «estrábicos»: olha com reverência as pessoas famosas, de alto nível, admiradas pelo mundo, e afasta o olhar dos inúmeros Lázaros de hoje, dos pobres e dos doentes, que são os prediletos do Senhor.”

Obrigado!

JPR

«… hábito da mente pelo qual alcançamos um início de vida eterna, movendo o entendimento para que dê o assentimento às coisas que não vê»

(São Tomás de Aquino - Suma Teológica, II, q.4, a.1)

«A fé cristã é, na sua essência, participação na visão de Jesus, mediada pela Sua palavra, que é a expressão autêntica da Sua visão. A visão de Jesus é o ponto de referência da nossa fé, a sua ancoragem concreta»

(Joseph Ratzinger - Olhar para Cristo)

A Fé

«(…) a fé não é, em primeiro lugar, matéria de experimentação intelectual, mas o fundamento sólido – ‘hypostasis, a garantia’, afirma a carta aos Hebreus (11,1) – sobre o qual podemos viver e morrer. Ora, do mesmo modo que a ciência não é prejudicada pelas certezas adquiridas – bem pelo contrário, as certezas adquiridas é que constituem a condição do seu progresso -, assim também as certezas dadas pela fé nos abrem horizontes sempre novos, ao passo que a reflexão experimental em contínuo torvelinho sobre ela mesma acaba por ser fastidiosa».

(“A Caminho de Jesus Cristo” – Joseph Ratzinger)

Absoluta confiança e fé em Deus

«Em tudo somos oprimidos, mas não sucumbimos. Vivemos em completa penúria, mas não desesperamos.Somos perseguidos, mas não ficamos desamparados. Somos abatidos, mas não somos destruídos».

(S. Paulo 2 Cor 4, 8-9)

«Tidos por impostores, somos, no entanto, sinceros; por desconhecidos, somos bem conhecidos; por agonizantes, estamos com vida; por condenados e, no entanto, estamos livres da morte.Somos julgados tristes, nós que estamos sempre contentes; indigentes, porém enriquecendo a muitos; sem posses, nós que tudo possuímos!»

(S.Paulo 2 Cor 6, 8-10)

S. Cosme e S. Damião, médicos e mártires

São Cosme e São Damião sofreram martírio em Ciro (na Síria), provavelmente durante a perseguição de Diocleciano, nos inícios do século IV. A data de 27 de Setembro corresponde provavelmente à dedicação da Basílica que o papa Félix IV mandou construir em honra deles no Foro Romano; e é ainda meta mais de turistas que de devotos, pelo esplêndido mosaico que lhe decora a abside. Sabemos que os dois irmãos curavam "todas as enfermidades, não só das pessoas, mas também dos animais", fazendo tudo gratuitamente. Em grego são chamados de "anargiros", isto é, sem dinheiro.

Os dois irmãos foram colocados no paredão para que quatro soldados os atravessassem com setas, mas "os dardos voltavam para trás e feriam a muitos, porém os santos nada sofriam ". Foram obrigados a recorrer à espada para a decapitação, honra reservada só aos cidadãos romanos e somente assim os dois mártires, juntamente com outros três irmãos, puderam prestar seu testemunho a Cristo.

Seus restos mortais, segundo consta, encontram-se em Ciro na Síria, repousando numa basílica a eles consagrada. Da Síria o seu culto alcançou Roma e dali se espalhou por toda a Igreja do Ocidente.

(Fonte: Evangelho Quotidiano)

O Evangelho do dia 26 de setembro de 2016

Começaram a discutir entre si sobre qual deles era o maior. Jesus, vendo os pensamentos do seu coração, tomou pela mão uma criança, pô-la junto de Si, e disse-lhes: «Aquele que receber esta criança em Meu nome, a Mim recebe; e quem Me receber, recebe Aquele que Me enviou. Porque quem de entre vós é o menor, esse é o maior». João, tomando a palavra, disse: «Mestre, nós vimos um que expulsava os demónios em Teu nome e lho proibimos, porque não anda connosco». Jesus respondeu-lhe: «Não lho proibais, porque quem não é contra vós é por vós».

Lc 9, 46-50