Igreja

Igreja
A Igreja é de Cristo e é essa que o cristão deve ambicionar servir e não usar

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Reflexões Quaresmais

Quaresma – 33ª Reflexão

Trazes hoje, Senhor, ao meu coração como reflexão a Esperança.

Sentados, lado a lado, dizes-me com amor:
A Esperança, meu filho, coloca-te nas Minhas mãos, porque só a podes viver na força do Espírito Santo.
A Esperança leva-te a desejar no mais íntimo de ti, o Meu Reino, a vida eterna, a felicidade, que apenas se completa em Mim.
A Esperança, se vives a vida que te dei comigo e para Mim, é real agora já, e ainda não, ou seja, sente-la desde já bem presente como realidade da tua vida, mas ainda não completa, porque ainda não estás em Mim. Nesse momento cessará a Esperança, para ficar apenas o Amor.
A Esperança, alicerçada no Espírito Santo, afasta de ti o desânimo, sustenta-te nas tribulações, faz-te mais irmão dos outros, porque a Esperança não se vive solitariamente, mas em comunhão.
A Esperança faz-te perseverar fim até ao fim, que por Minha graça deixa de ser fim, para passar a ser a realização da Minha promessa, a vida eterna na felicidade desejada e esperada pelo homem, em Deus.

Abre-se em mim o sorriso da Esperança, e peço-Te:
Eu espero em Ti, Senhor, mas aumenta a minha esperança.
Derrama o Espírito Santo e faz-me com que eu me abra totalmente a Ele, para que a Esperança seja realidade na minha vida e por ela eu persevere em tudo e sempre.
Por Tua graça, Senhor, eu quero viver a Esperança até chegar ao completo Amor.

Obrigado, meu Deus, pela Esperança!

Monte Real, 14 de Março de 2016

Joaquim Mexia Alves na sua página no Facebook

São Josemaría Escrivá nesta data em 1955

Diz aos que o escutam neste dia em Roma: “Jesus Cristo, o mesmo que foi ontem para os Apóstolos e para as pessoas que o procuravam, vive hoje para nós e viverá pelos séculos sem fim. Nós, homens, é que, às vezes não conseguimos descobrir o seu rosto, perenemente actual, porque olhamos com olhos cansados ou turvos. Agora, ao começar este tempo de oração junto ao Sacrário, pede-lhe como aquele cego do Evangelho:Domine, ut videam!, Senhor, que eu veja!”.

SEGUNDO A TUA PALAVRA!

Duvidamos tantas vezes da presença de Jesus Cristo, de Deus, nas nossas vidas.

Mas é curioso que quando nos entregamos, (ou fazemos tudo para nos entregarmos), nas Suas mãos e à Sua vontade, Ele irrompe nas nossas vidas, (sem pressões ou exigências), mas levando-nos a perceber a Sua presença em todos os momentos das nossas vidas, até mesmo naqueles em que nos escondemos ou afastamos dEle para fazermos a nossa vontade.

Mas Ele não faz isso para nos coibir de fazer a nossa vontade, mas para nos colocar perante as nossas decisões, lembrando-nos de que, muito melhor do que nós, Ele sabe o que precisamos e é bom para cada um de nós.

E é nesses momentos que, ou O ouvimos e aceitamos, ou nos achamos capacitados para saber o que é melhor para nós, e, fechando-nos à Sua presença, caminhamos sozinhos, sem deixarmos que o Espírito Santo nos guie e ilumine o caminho.

Não precisamos, agora, de nos debruçarmos sobre o que acontece quando achamos que a nossa vontade é mais “certa” que a de Deus, mas será bem melhor percebermos como perdemos esses momentos em que Ele se faz presença em nós, e nos fazemos indiferentes a Ele.

Acreditamos, batemos com a mão no peito, rezamos e pedimos, mas quando Ele nos diz que não façamos aquele caminho, não tomemos aquela decisão, não O ouvimos e colocamos em causa a Sua própria existência.

Porque se acreditamos que Deus existe e é Deus, como podemos nós pensar que sabemos melhor do que Ele, o que é o melhor caminho para nós!

E depois dizemos admirados que Ele não fala connosco, que não nos guia, que parece que desapareceu da nossa vida e nos abandonou!

E a que propósito vem toda esta reflexão?

É que há pouco, há minutos atrás, estava para ali a dizer coisas entre conversas de família, e senti que Ele me dizia: «Eu estou aqui!»

Realmente, Tu, Senhor, por vezes tens uma maneira de Te fazer presente de tal modo, que só podemos dizer como a Tua Mãe: «Faça-se em mim segundo a tua palavra!»

Marinha Grande, 2 de Abril de 2016

Joaquim Mexia Alves

O Evangelho do dia 3 de abril de 2017

Jesus foi para o monte das Oliveiras. Ao romper da manhã, voltou para o templo e todo o povo foi ter com Ele, e Ele, sentado, os ensinava. Então os escribas e os fariseus trouxeram-Lhe uma mulher apanhada em adultério; puseram-na no meio, e disseram-Lhe: «Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante delito de adultério. Ora Moisés, na Lei, mandou-nos apedrejar tais mulheres. E Tu que dizes?». Diziam isto para Lhe armarem uma cilada, a fim de O poderem acusar. Porém, Jesus, inclinando-Se, pôs-Se a escrever com o dedo na terra. Continuando, porém, eles a interrogá-l'O, levantou-Se e disse-lhes: «Aquele de vós que estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire uma pedra». Depois, tornando a inclinar-Se, escrevia na terra. Mas eles, ouvindo isto, foram-se retirando, um após outro, começando pelos mais velhos; e ficou só Jesus com a mulher diante d'Ele. Então, levantando-Se, disse-lhe: «Mulher, onde estão os que te acusavam? Ninguém te condenou?». Ela respondeu: «Ninguém, Senhor». Então Jesus disse: «Nem Eu te condeno; vai e doravante não peques mais».

Jo 8, 1-11