N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

domingo, 18 de junho de 2017

Pudor na desgraça

Porque me incomoda a utilização da desgraça para exteriorizar a minha piedade procurando fazê-lo no silêncio da oração, ainda assim e perante a tragédia que se abateu sobre tantos compatriotas meus, sinto a necessidade de apelar à oração com o pudor de a não publicitar aos quatro ventos como se estivéssemos a fazer algo mais do que de facto o Senhor nos pede. Não, não somos nenhuns santinhos piedosos, devemos ser sim, cristãos que rezam fechados no quarto.

Compartilhar as nossas preocupações e angústias é positivo e útil, fazê-lo ad nauseam é uma forma de piedade vaidosa.

JPR

Prece de um aflito

Senhor Jesus, nos momentos de sofrimento e dor, dá-nos a humildade de tudo Te oferecer vendo em Ti o Bom Pastor que nunca abandona a ovelha tresmalhada ou ferida por um lobo e que só deseja o seu bem.

Tu és o nosso Porto de Abrigo, mesmo se quando nos abrigamos junto ao Teu peito já estejamos doloridos e massacrados, aliás, é sobretudo por isso mesmo que Te buscamos, pois tudo farás para nos consolar e sarar as feridas, mesmo quando isso, na nossa condição humana e egocêntrica, nos possa parecer que não ocorre. Ajuda-nos ainda a ter-Te sempre presente e não Te esquecer quando tudo corre bem.

Obrigado meu Senhor e Amigo pela Tua imensa bondade!

JPR

Sempre o tens a teu lado

Que maravilhosa é a eficácia da Sagrada Eucaristia, na ação – e, antes, no espírito – das pessoas que a recebem com frequência e piedosamente. (Forja, 303)

Se aqueles homens, por um bocado de pão – mesmo sendo muito grande o milagre da multiplicação –, se entusiasmaram e te aclamaram, que devemos fazer nós pelos muitos dons que nos concedeste e, especialmente, porque te entregas a nós sem reservas na Eucaristia? (Forja, 304)

– Menino bom: como beijam as flores, a carta, a recordação de quem amam, os amadores da terra!...

– E tu? Poderás esquecer-te alguma vez de que o tens sempre a teu lado... a Ele!? Esqueces-te... de que o podes comer? (Forja, 305)

Assoma muitas vezes a cabeça ao oratório, para dizeres a Jesus: –... abandono-me nos teus braços.

Deixa a seus pés o que tens: as tuas misérias!

Desta maneira, apesar da turbamulta de coisas que levas dentro de ti, nunca perderás a paz. (Forja, 306)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1931

Deixa o Patronato dos Doentes, centro de assistência a pessoas pobres. Custava-lhe sair dali, onde tinha possibilidade de aliviar e oferecer os sofrimentos dos doentes: “Penso que alguns doentes, daqueles que assisti até à morte, durante os meus anos apostólicos, “fazem força” ao Sagrado Coração de Jesus”, medita no seu interior.

Bom Domingo do Senhor!

É nosso dever e obrigação atender às palavras do Senhor de que nos fala o Evangelho de hoje (Mt 9,36-38.10,1-8) e sem hesitação e na medida das nossas possibilidade e capacidades proclamarmos a Boa Nova.

Louvado seja Jesus Cristo Nosso Senhor fonte permanente de inspiração.

«se matas alguém, é como se tivesses morto todas as pessoas; se salvas uma vida é como se tivesses salvo todas»

Myhanh Best, mulher de Rick, cumprimentada pelo pároco, no funeral do marido.
Duas raparigas de origem africana, estudantes do secundário, viajavam num metro de superfície em Portland (Oregon, Estados Unidos da América). Um fortalhaças de 35 anos começa a insultá-las com grande violência, por serem negras e uma delas usar um lenço muçulmano. Ricky Best, empregado da Câmara, de 53 anos, pai de 4 crianças, avança para defender as raparigas e dois outros passageiros seguem-no: Namkai-Meche, de 23 anos, que terminara o curso de Economia há poucos meses, e Micah Fletcher, de 21 anos, ainda estudante da Universidade. Graças a esta intervenção, as raparigas conseguiram escapar.

Então, o fortalhaças vira-se contra os três homens. Esfaqueia Best matando-o ali mesmo, a seguir degola Meche, que ficou em estado crítico e morreu no hospital, finalmente rasga o pescoço de Fletcher de uma ponta à outra, antes de abandonar o local. Dos três, só Fletcher sobreviveu. Era hora de ponta e o eléctrico estava apinhado. Passado o susto, alguns passageiros preveniram a polícia, a maioria dos passageiros simplesmente fugiu.

Como é natural, toda a cidade se interessou por conhecer alguma coisa dos três homens que se interpuseram para defender as raparigas.

Rick John Best, pai de 4 filhos, morto para defender
duas alunas do secundário.
Os colegas de trabalho de Rick Best contaram pequenas histórias. Era sempre o primeiro a ajudar os outros, falava muito da mulher e dos filhos, cheio de ternura e orgulho. Alguns Veteranos do exército descreveram-no como um herói durante os 23 anos da sua comissão no Afeganistão e no Iraque, exemplo de alguém que trabalhava generosamente para defender a vida de outros. Na paróquia, o pároco e o bispo da diocese explicaram o sentido profundo pelo qual Rick dava a vida diariamente. O pároco lembrou uma frase de Jesus, «não há maior amor do que dar a própria vida pelos amigos». É verdade que Rick não conhecia as raparigas que procurou salvar, mas, como dizia Erik Best (19 anos, filho de Rick), «fixo os olhos do meu pai e vejo o amor de Deus patente. Ele queria bem a todos». A própria família de Rick era bastante universal. Chamou-me a atenção que, na Missa do funeral, levavam todos lenços brancos na cabeça, símbolo de amor na tradição vietnamita, porque Myhanh, mulher de Rick, é do Vietname.

O Arcebispo de Portland partilhou nessa Missa uma experiência pessoal: «Deus tira sempre bem das tragédias humanas mais horríveis. O heroísmo de Rick já começou a dar fruto, unindo os cristãos e os muçulmanos numa frente comum contra o ódio e a violência». De facto, os muçulmanos sentiram a força poderosíssima de um abraço, ao preço de sangue, que os fez sentirem-se estimados por toda a cidade.

Musse Olol, Presidente do Conselho Somali do Oregon declarou: «a maioria dos imãs com quem falei quer saber quem eram estes bons samaritanos, estes heróis. A história é acerca deles, não do terrorista, nem sequer das raparigas, que estavam casualmente no sítio errado, à hora errada». Um deles lembrou o Corão: «se matas alguém, é como se tivesses morto todas as pessoas; se salvas uma vida é como se tivesses salvo todas».

Harris Zafar, chefe da comunidade muçulmana de Portland, ensinou a sua comunidade a aprender lições práticas da generosidade de Rick e a tratá-lo como um santo intercessor. «Quem me dera agradecer-lhe face a face por ele ser o pai que eu tento ser, a pessoa humana que me esforço por ser. Peço que ele me ajude em casa, com os meus filhos». E declarou, com humor: «O meu pai estava enganado: existem realmente super-heróis».

A população, agradecendo a Asha Deliverance (à esquerda) a
generosidade demonstrada pelo seu filho, Namkai-Meche,
morto para defender duas alunas do secundário.
A mãe de Namkai-Meche, o jovem economista que morreu, uma empresária de nome Asha Deliverance, mulher cheia de iniciativa, habituada a mandar, pôs toda a multidão a rezar, na vigília ao ar livre que se organizou no dia seguinte em Portland.

Fletcher, o mais novo e o único que sobreviveu, teve nestes dias bastantes oportunidades de demonstrar os seus dotes de oratória. Tinha recebido um prémio literário por uma poesia acerca do respeito pelos muçulmanos, que agora é lida pela cidade com um sentido redobrado. À televisão, declarou que «a comunidade muçulmana, especialmente em Portland, tem de compreender que muitos de nós não vamos ficar parados e deixar que alguém – daqui ou de fora – vos assuste fazendo-vos pensar que não podem fazer parte desta cidade, desta comunidade ou deste país». Insistiu em que «não sou um herói, sou só um miúdo de Portland» e que as principais vítimas foram Best, Meche e as duas raparigas. Dyjuana Hudson, mãe de uma delas, Destinee Mangum (16 anos) discorda amigavelmente: «Fletcher foi um dos anjos que salvou a vida da minha filha».

Lembrei-me do pesadelo de Portland por coincidir no tempo com uma proposta da Ordem dos Psicólogos Portugueses acerca do comportamento homossexual. Segundo o projecto, é preciso recusar ajuda às pessoas que querem ultrapassar esta tendência, é preciso proibir os psicólogos discordantes e é preciso obrigar os católicos a reconhecer que a sua religião os enche de preconceitos, quer como profissionais dispostos a ajudar, quer como pacientes que não estão satisfeitos com a sua tendência.

Esperemos que a proposta seja retirada e não faça vítimas mas, em Portland como em todo o mundo, há situações em que algum de nós pode ter de decidir se defende os mais fracos contra quem tem poder. A maioria dos passageiros do metro ligeiro de Portland fugiu e não lhes aconteceu nada.

José Maria C.S. André
18-VI-2017
Spe Deus

A única apologética

A única, a verdadeira apologia do cristianismo pode reduzir-se a dois argumentos: os santos que a Igreja produziu e a arte que germinou no seu seio. O Senhor torna-se crível pela magnificência da santidade e da arte, que explodem dentro da comunidade crente, mais que pelas astutas escapatórias que a apologética elaborou para justificar os lados obscuros que abundam, infelizmente, nos acontecimentos humanos da Igreja. Se a Igreja, portanto, deve continuar a converter, a humanizar o mundo, como pode, na sua liturgia, renunciar à beleza, que está unida de modo inseparável ao amor e, ao mesmo tempo, ao esplendor da Ressurreição? Não, os cristãos não devem contentar-se facilmente, devem continuar a fazer da sua Igreja o lar do belo, portanto do verdadeiro, sem o que o mundo se torna o primeiro círculo do inferno. [...]

Um teólogo que não ame a arte, a poesia, a música, a natureza, pode ser perigoso. Essa cegueira e surdez para o belo não são secundárias, reflete-se necessariamente também na sua teologia.

(Cardeal Joseph Ratzinger in ‘A fé em crise?’ pag.32)

«Pelo caminho, proclamai que o Reino do Céu está perto»

Concílio Vaticano II
Constituição sobre a Igreja «Lumen Gentium», § 48


A Igreja, à qual todos somos chamados e na qual, por graça de Deus, alcançamos a santidade, só na glória celeste alcançará a sua realização acabada, quando vier o tempo da restauração de todas as coisas (cf At 3,21) e quando, juntamente com o género humano, também o universo inteiro, que ao homem está intimamente ligado e por ele atinge o seu fim, for perfeitamente restaurado em Cristo. […]

A prometida restauração que esperamos já começou, pois, em Cristo, progride com a missão do Espírito Santo e, por Ele, continua na Igreja; nesta, a fé ensina-nos o sentido da nossa vida temporal, enquanto, na esperança dos bens futuros, levamos a cabo a missão que o Pai nos confiou no mundo e trabalhamos na nossa salvação (cf Fil 2,12).

Já chegou, pois, a nós, a plenitude dos tempos (cf 1Cor 10,11), a restauração do mundo foi já realizada irrevogavelmente e, de certo modo, encontra-se já antecipada neste mundo: com efeito, ainda aqui na terra, a Igreja está aureolada de verdadeira, embora imperfeita, santidade. Enquanto não se estabelecem os novos céus e a nova terra em que habita a justiça (cf 2Ped 3,13), a Igreja peregrina, nos seus sacramentos e nas suas instituições, que pertencem à presente ordem temporal, leva a imagem passageira deste mundo e vive no meio das criaturas que gemem e sofrem as dores de parto, esperando a manifestação dos filhos de Deus (cf  Rom 8,19-22).